sábado, outubro 25, 2008

Dezenove segredos

Temos todos os nossos segredos
Esse é um dos meus, vou te contar
Vesti todas as roupas
Espalhadas
Olhei no espelho
Minha cara
Engraçada
Enterrei
Todas as mágoas
No quintal
Fiquei triste, chorei
Por você; te odiei
E agora, olha só
Tudo é passado.

sábado, maio 17, 2008

O dia que o My Bloody Valentine assistiu o show do Wry.

Deixarei de lado um pouco a poesia, a prosa e o verso, pra relatar aqui no meu blog um dia espetacular. O melhor dia desses 6 anos morando em Londres. Foi ontem, dia desesseis de maio de dois mil e oito. Quando fechei meus olhos e toquei por meia hora nosso set novo que o Brasil ainda esta para conhecer; e que assim tambem em transe fizeram Luciano, Chokito e Andre.
Eu ja sabia que existia a possibilidade de Kevin Shields (My Bloody Valentine) vir ao show, ja que sua namorada, Charlotte, era a vocalista da banda que tocaria antes da gente, ontem no Buffalo Bar, a qual podemos dizer que eh nossa casa nessa cidade cinza e sarcastica. E tambem, eu havia conhecido Kevin em uma outra noite quando essa mesma banda, Le Volume Courbe, havia tocado la.

Ja na passagem de som, estava la eu falando com Douglas Hart (The Jesus and Mary Chain) que eu tambem ja conhecia antes e que eh baixista do Le Volume Courbe, sobre a cover do Jesus que o Wry fez para uma coletanea britanica da ClubAC30 de bandas contemporaneas tocando classicos de bandas noise e shoegaze do passado, que vai sair em breve chamada Never Lose That Feeling. Acabei dando uma gafe quando fui perguntado qual era a musica e nao lembrava o nome, que agora com facilidade preenche minha cabeca: Some Candy Talking.

Fiquei nervoso depois disso. O bar estava quase para abrir e vi a lista de convidados: Kevin Shields, Colm O'Ciosoig and Debbie Googe (MBV) e Bobby Gillespie. Belinda nao viria, que ao meu ver, era justo, ja que eh uma ex de Kevin e o que estaria ela fazedo num show da namorada atual do guitarrista. O primeiro a chegar foi Bobby, que conheci um tempo atraz, no mesmo dia que conheci Douglas. Ele parecia perdido, falei com ele e todo estranho me perguntava de Douglas. O povo nao estava na bar, estavam num pub ali proximo. Nao sei o que deu na cabeca do vocalista do Primal Scream que saiu rodopiando e foi embora. Mais tarde Douglas confessara que nao tinha entendido nada, do porque de ele ter ido embora.

De qualquer forma, tudo isso acima nao eh nada comparado com a visao que tive momentos mais tarde - eu sei, sou obssecado, amo MBV acima de qualquer coisa - sei la porque, mas era como um pastor vendo Jesus e dois de seus discipulos entrando em sua Igreja. Exagero neh? Mas ta valendo, nao foi meu esse comentario. Mesmo assim, descendo a escada avistei MY BLOODY VALENTINE!

Falei um oi cordial, ja que conhecia Kevin. Comentei sobre um assunto que nos ligou em contato desde a primeria vez e perguntei se ele iria ver a gente, disse que sim. Eu sai.

As 10.20pm entramos no palco, tocamos os tradicionais trinta minutos de shows que fazemos aqui (e que nao aguento mais, nao vejo a hora de tocar no Brasil um set mais longo), com meus olhos fechados e a emocao a flor da pele. Nao encanei com nada, nao errei nada, fizemos simplesmente o melhor show em Londres, na minha opiniao. Desculpe-me, se pareco repetitivo quando falo que o ultimo foi nosso melhor show, mas se prestar bastante atencao, nao sao todos os ultimos shows que acho o melhore. Esse foi.

Abri meus olhos antes da ultima musica, Disorder, que agora esta numa melhor forma do que aquela que tem no Youtube. Brinquei com o publico e quando olho em minha direcao, um pouco atraz do povo da frente, Kevin Shields sorrindo pra mim. Abaixei a cabeca e tive a certeza que meu unico idolo estava dando uma certa aprovacao com um sinal com o rosto e o sorriso. Beleza, terminou o show e estavamos felizes por mais um desafio terminado e conquistado. Mas nao parou por ai.

Ja no backstage amigos vieram falar do show e comentar que o MBV estava curtindo o show inteiro. Ja fiquei realizado e para mim, eu poderia ter ido embora aquela hora. Sai do camarim, passei por amigos e fans que me paravam com comentarios elogiosos. Indo no caminho da porta, pois minha namorada estava fazendo a entrada para gente, vejo a figura do Kevin deixar um grupo com a qual conversava e vir, por entre pessoas e o aperto, falar comigo. Apertou minha mao firme e disse o quanto o show tinha sido bom. Apertou de novo e completou dizendo que teve momentos do show em que ele pensou em musicas novas. Que tinha se inspirado. Eu disse ironicamente que nao acritava no que dizia, mas que depois pagaria uma bebida para ele. Ele sorriu e eu sai dali, com a cabeca a mil. Poucas coisas me atingem, mas algumas me matam, como essa acima.

Ja eram 11pm e conversamos muito depois, sobre tantas coisas diferentes e ate segredos que nao sao contados a jornalistas, e que eu nao vou relatar aqui. Um dia talvez eu te conto pessoalmente. Debbie Googe disse ter sido fantastico o show, de qualidade e de um carisma impressionante. Do Colm, o baterista do MBV, diziam que balancava a cabeca durante o show todo. Foi bem simpatico comigo, mas nao conversamos, so fomos apresentados. Kevin acrescentou tambem mais tarde que a musica Bitter Breakfast fez ele mesmo pensar numa outra musica. Falando com o Luciano, ele disse que estao escrevendo musicas novas pros shows que vao fazer esse ano. Conversaram sobre pedais. Sons. Ebay. Conversamos sobre caches, Brasil, Londres, guitarras, Belinda e os ensaios da banda.

Tiveram mais duas gafes: eu derrubei um copo de vinho da Debbie, que na verdade nao segurou direito deixando espatifar no chao, do que nos dois queriamos ser o culpado. E Kevin, quase cometeu a gafe da noite. Tinha um anaozinho em nossa frente uma hora, de costas pra gente. Eu vi quando Kevin tentou cutucar o carinha, mas se retraiu rapidamente cochichando comigo que tinha pensado que o cara estava ajoelhado nos cacos do copo que eu havia quebrado. Imagine que engracado e super chato, eh claro, falando pro carinha se levantar.

A noite foi longa e muito divertida, uma noite que ficara na minha memoria. Estavam la muitos amigos, entre eles toda a Goo Goo Gang remanescente em Londres.

sábado, abril 19, 2008

Por quanto tempo mais esperarás o Sol nascer?

A esperanca eh o que alimenta sua razao;
pois ficas assim tanto tempo a ser feliz
Nao podes ver o que ordinarios pensam e malvados falam.
Nao podes sentir o maltrato do mundo a frente de teu nariz.

Tens a vida linda, sabes contemplar o que poucos veem,
Tens a saude limpa, os dentes fortes e a cabeca fresca.
Sabes sorrir, sem ironia; ironizas com sabedoria.
Conhece a essencia da vida, o mundo e sua beleza.

Como a natureza, provocas em ti o bem e mal,
sabes decor a medida certa da receita da inveja,
Mesmo que te entristeças, consegues tirar de letra,
Consegues chorar e depois sonhar com maior leveza

Por quanto tempo mais esperarás o Sol nascer?
Ja nao basta todo o cinza que te leva ao tedio,
e a tradiçao desse sarcasmo que te mostra a verdade?
A persistencia nao nos dara a chave da harmonia.

sábado, abril 05, 2008

Memorias Vivem

Meu signo é Câncer, eu prezo as lembranças como riqueza interior, como romance, como conquistas que jamais serão esquecidas. Valorizo-as como recheio a conversas futuras. Prezo os Museus e a Historia. Passado e futuro são sinônimos em minha cabeça. Ainda feliz, sou confuso com toda a ciência que tenta me explicar as chaves do antes, agora e depois. Do aqui, lá, mais adiante. A velocidade. O trem passando. Eu parado na estação vejo as pessoas andando dentro desse trem. Eu parado na estação. Feliz, mas confuso. Algumas coisas que vejo, ninguém mais vê. E fico ali, a descrever a situação e colocar em palavras a teoria do livro que eu queria escrever. E escrevo em minutos, só na minha cabeça, centenas de páginas desse livro imaginário. E o tempo passa e o mesmo tempo passou, deixando um sorriso incrível em meu rosto.

Quando eu tinha 3 anos de idade eu fugi de casa. Corri tropeçando nas pedras da linha do trem. Não sei onde eu estava indo, mas sei que caminhava e que avante eu seguia; e sabia, que alguém viria me buscar. Eu sorria de alegria e dizia que estava indo viajar. Sem fugir eu viajei.
E naquela mesma tarde, tenho isso gravado em minha memoria, sentávamos os dois na garagem de casa,  esse menino loiro, da minha idade me arranhava o rosto, as quais marcas tenho até hoje. E essa é a minha mais remota lembrança do sentimento de inveja, era isso que eu sentia de outro garoto, que diziam ser meu primeiro melhor amigo.

Não existe música que se relacione com as minhas primeiras lembranças, mas existem as musicas que me levam a infância. Existe um determinado tempo, nublado, quieto, a tarde e frio que ativa minha nostalgia a vida infantil. Minha testa batia nas mesas, tão pequeno eu era e meus sonhos futuros brotavam. Olhando o meu passado agora, vejo que eu já era o que esou hoje e consigo dividir e ligar meus desejos profissionais, sexuais e artísticos dos meus 5, 6, 7, 8, 9 anos com as coisas que completei na vida que tenho agora. Minha primeira namorada foi as 5 anos de idade, é logico que não fiz nada, mas sei que ela era minha primeira namorada, lembro de sua roupa na festa junina, lembro de sua casa e do quanto ficamos nós dois envergonhados quando meu pai foi a casa dela buscar uma TV que o pai dela havia concertado. Lembro de estar encostado numa máquina de costura e olhava para ela e não falávamos nada. Lembro do meu segundo melhor amigo e das tardes que passávamos em sua casa, correndo em volta da sala e cozinha. Era uma tarde e estava nublado. Lembro de pequenas promessas, nunca cumpridas.

Meus sonhos começaram a brotar logo já nessa época. Eram dias que me imaginava ser Super Man e que a Mulher Maravilha me acorrentava no sofá, enquanto minha mãe cuidava de seus afazeres na cozinha, essa mulher imaginaria me seduzia aos meus primeiro sonhos eróticos. Outros dias eu era Gene Simmons do Kiss e eu ia a escola todo vestido e maquiado, na minha imaginação, e todos me olhavam e me ovacionavam. Eram meus primeiros sonhos de ser uma estrela do Rock. Mas no fundo, no fundo eu queria ser Astronauta. Eu já escrevia em meus primeiros anos de escola, eu fazia poemas, uma ode ao Espaço e as Estrelas. Eu não mudei nada.

Eu tenho tanto a contar e dizer, parece que não me esqueci das coisas que me aconteceram. Das mais corriqueiras, como quando decidi não mais brincar de carrinho porque me achava já grande e dias depois me entregar as brincadeiras infantis de novo, chorando dizendo que não queria crescer e que ainda era criança; as mais fortes, como ouvir Darklands do Jesus and Mary Chain trinta mil vezes e chorar sozinho no quarto porque eu não queria ser mais um perdido no mundo e uma indecisão tomava conta de meu coração, eu sofria. Alguns amigos se assustam quando vibro por alguma memória que me é trazida de volta depois de algum comentário que fez ou algo que me disse diretamente. Eu amo que me lembrem de algo que eu tinha me esquecido.

Meus irmãos são todos bem mais velhos que eu, eles me botaram no mundo da música. Eles foram os responsáveis por quase toda a música que eu escuto hoje. Das músicas que são meus prazeres culposos as que tenho orgulho em dizer que gosto. Como são de bom gostos esses meus irmãos. Entre eles, as preferências eram diversas e com isso criou-se uma salada tropical e pra cima na minha própria discoteca; mas para honrar o equilibro e botar mais harmonia ao meu gosto, eu também gostei do oposto a essa alegria, eu trouxe de meu interior a musica que me fascina hoje em dia, que nada mais é do que a mesma musica que eu faço, ou tento fazer ou que vou ainda fazer.

Depois, pós-adolescência veio minha juventude e minha banda e tudo passou a girar em torno dela. Que somente essa parte, é uma longuíssima estoria que ei de te contar. Um dia.

Minhas memórias serão infinitas, meu dia vai chegar, quando eu poderei relatar os detalhes. Do mais obscuro ao mais apoteótico. Do que aconteceu ao que vai surgir. Do Escuro a Luz. Do Amor ao Ódio. Me emociono fácil com meus pensamentos, sozinho e quero explodir e ensinar o Amor aqueles que me rodeiam. O Amor que aprendi com minha família e que depois foi completado vivendo com meus amigos e meu grande amor eterno. Tento dizer que basta ser, que amar é simples e que o difícil é perceber. Ele está preso em sua memória e ligado em sua imaginação. Ele bate junto com o seu coração.

Mas sabe, não vou ficar aqui traduzindo a Bíblia, simplificando o conforto que é o colo de sua mãe ou a sensação de seu gozo. Um dia poderei me expressar de um modo que palavras não serão necessárias. Sem espelhos, sem competições, sem arrogância, sem nenhuma pretensão, um dia eu irei me encontrar e todas as minhas memorias irão se resumir em uma só lembrança: a lembrança da vida que tive e de todos que conheci. Um dia.

sexta-feira, fevereiro 29, 2008

A consciencia de perceber-se existir.

Tento explicar porque sorrio a todo momento e nao consigo. Vejo as cores fortes, vejo olhares reveladores. Tao fortemente me agarro a simplicidade de estar nesse exato momento, aqui com voce, que me sinto viver. E o fato de me interagir com o ambiente onde me encontro, que eh precioso, humilde e ao mesmo tempo maravilhoso, eleva-me ao ponto de inspiracao; entao quero pintar, quero escrever, quero cantar. Na frase quando explico que os pensamentos que escrevo possam soar deprimentes a mente da maioria, mas nao para mim, eu vejo verdade e alegria. Eh como se me sentisse parte de tudo, onde consigo controlar aonde posso ir e o que posso receber. Vejo Amor como a sintese de Deus, inexplicavel.

Umas pessoas nao aguentam o peso do Amor. Outras nao o entendem. Meu espirito cala-se perante ao Amor, pois nada cabe-se dizer ou fazer, somente sentir e sorrir. Se revelar a certeza de ser e de estar.

Eu gostaria de te ensinar a viver o momento, porem fico confuso. Vejo esse mesmo ato indecifravel em palavras e regras. Voce conseguiria senti-lo com sua propria percepcao, sua emocao e seu extase, mas nao caberia a mim dizer-te como faze-lo, pois de seus sonhos eu nao conheco a minima parte. Assim como o Amor, como Deus considero essa consciencia inexplicavel. A consciencia de perceber-se existir.

Eh nesse momento que toda a ganancia interna que carregamos de conquistas materiais, egocentricas e competidoras, some, desaparece. E o que sobra eh somente o extase de contemplar qualquer que seja a imagem que esteja a nossa frente ou a figura pintada em nossa mente. Eh quando sua voz tenta te falar algo, te afirmar o milagre que voce eh.

Sei que temos dores; nos vemos traidos e injusticados; sentimos cansados e arrasados, que procuremos entao razao, de que sao coisas que nos transformam e nos fazem mais e mais sentir que estamos aqui e temos o porque. E podemos entender uns aos outros. Essa eh a verdadeira diversao e aventura de viver e interagir com outras pessoas e seus diversos sentimentos. O que eh na verdade, apenas um lazer, um brincar de viver, se comparado com a profunda arte de saber existir.

Creio que mesmo dizendo que nao, consegui explicar um pouco do porque sorrio para voce, toda vez que te vejo e enquanto voce esta a ler e me ouvir. Que abro meus bracos e te recebo. Que tambem sorrio para mim mesmo e me aceito com meus erros e acertos. Espero que essas linhas te tragam um pouco mais de felicidade ou melancolia. Que te de plena consciencia do quanto voce eh importante para mim e para voce mesmo.


segunda-feira, dezembro 31, 2007

Despertar: coragem, conhecimento e fe.

Apesar de todos esses planos decisivos incendiando minha cabeca, meu futuro ainda eh incerto. O que parece eh que a crenca no que antes eu enxergava como a verdade nas coisas que eu fazia esta agora me dizendo goodbye. Esta sumindo, indo longe. Dando lugar paras ideias mais luzentes e definidas. Estranho que pareca, faz mais ou menos um ano que eu nao rezo antes de dormir. Que nao agradeco ou faco pedidos. Ainda apoio a ideia de que acreditar em algo, energia ou uma forca superior eh o mesmo que acreditar em Deus. Eh acreditar em pecados e preces. Eh acreditar que tudo que se consegue foi por Sua unica ajuda e quando nao se consegue eh o troco pago de algum mal que se fez, o Seu castigo. Acreditar que as dores se vao quando se pede perdao. Que as armaguras se acalmam.

Batendo a minha porta agora, ha um outro tipo de crenca, que bate no ritmo do meu coracao. Sim, eu ainda acredito em algo maior do que tudo que existe. Mas nao acredito que seja tao simples e tao claro assim dizer que "aqui se faz aqui paga" ou que "eh dando que se recebe". Imagino agora que isso eh o que nos mesmos determinamos. Eu acredito que cada um de nos eh um pedaco dessa forca maior e que estamos todos interligados. As vezes estamos no lugar certo na hora certa e na maioria das vezes nao. Somos nosso proprio Deus e guiamos nossa propria vida. Somos o que podemos ser. Mas ao mesmo tempo dependemos das circunstancias que estao ao nosso redor. Vivemos dentro de um emaranhado, dentro de uma confusao e nosso objetivo eh sobreviver. Para uns eh bem mais facil, se tornando entao o desvendar do segredo dessa vida o seu objetivo supremo, na qual a essencia eh a propria acao em viver essa vida que eh se apaixonar por tudo e todos e saber aceitar as oportunidades, as possibilidades ate alcancar a Luz.

O resumo individualista do que sera minha vida daqui para frente eh simplesmente saber botar minha cabeca no lugar. As maiores decisoes de toda a minha estoria estao queimando meu corpo de dentro para fora para estourar a qualquer momento. Por isso preciso desses planos escritos em minha pele com meu proprio sangue. Eu teria todo o tempo do mundo se eu fosse livre, mas aceitei viver em sociedade e repartir os prazeres da minha vida com os que amo e com aqueles que me admiram, porem com muita determinacao, coragem e fe.

Estou mudando, talvez crescendo. Sinto-me diferente perante ao que antes sonhei. Positivo ao que soh eu mesmo sei e entendo. Parece que estou a despertar. Ainda assim com centenas de duvidas, como assim deve ser. Que mesmo nesses momentos bizarros de "des-fe" sem rezar nas minhas noites mais frias, ainda me vejo crendo naquela forca maior. Mas que agora, ao meu ver, essa forca divina esta sendo carregada dentro de nos mesmos. E eh para la que devemos ir, tentar nos conhecermos melhor como tambem uns aos outros, para conseguirmos prosseguir.

segunda-feira, outubro 29, 2007

Dois Coracoes e o Sol.

Eu preciso acordar do frio e desprezo,
E me jogar e te conquistar.
Mesmo assim, as chances serao
Pequenas e tanto faz entao,
So quero saber, quando voce vem me ver.

Eh como se eu estivesse so,
Voando os ceus e os pes no chao.
Sera o tedio maior entao?
Serao as tardes mais lindas?

Quero entender os motivos
De se esconder e fugir do mundo.
Se sofrer eh aproveitar,
eh saber sorrir e chorar
E se meus sonhos sao
Memorias do que sera entao
So quero dois coracoes e o Sol
Contar estorias ao Ceu cair
Serao as flores mais lindas?
Sera a chuva mais forte?

DistanteS ficaremos de novo
Esse desafio me convem
Solidarias vozes da cura e socorro
Estarei indo acudi-las de novo.

So quero dois coracoes e o Sol
Contar estorias ao Ceu cair
Serao as flores mais lindas?
Sera a chuva mais forte?

terça-feira, outubro 23, 2007

Regresso

Quero lhe dizer,
Foram anos e aprendi,
De que eh voce que sempre sorri.

Olhos tristes,
Era noite e eu sofri,
E foi voce que veio me cobrir.

Os solitarios tem mais amigos que eu.
O futuro os compreende, eu sei.

{Quantas dores eu senti, era jovem e eu sonhei.
E eu vi os espiritos. Os meus espiritos estavam calados. Os acordei}

Quero lhe dizer,
Sei que amizade eh violar
Inocentemente o que sentes:
Fui imigrante dessa terra, eu sei.
Foi o que errei, o buraco que deixei.
Nao me arrependo dos atalhos que tomei
O futuro me compreende, eu sei.

{Quantas dores eu senti, era jovem e eu sonhei. E eu vi os espiritos.
Os meus espiritos estavam assustados. Foi que eu voltei. E eu voltei.
E eu voltei}

domingo, outubro 14, 2007

Medo da Vida

Eu estava esperando por esse momento, quando eu percebesse a ordinaria realidade de ter medo da minha propria vida. Do que vira a ser. Do que vai acontecer. Porem, essa sensacao de medo vira sinonimo de ansiedade, quando que para meu futuro eu penso em algo extraordinario; eu vivendo o que eh certo ou me transformando ao que eu poderia ser. Medo das expectativas que me cercam dentro dessa sociedade na qual eu existo, me mostrando na cara toda competitividade sinistra que me corroe.

Sozinho eu venceria todo mal que me prende a isso que acho certo em acreditar na uniao e na forca. Essa harmonia, sobre a qual gritei em discursos, ja muitas vezes me deixou aos pedacos. Mas tudo bem, eu sempre fui assim. Vejo as pessoas sorrindo e me sinto realizado como se eu fosse o Verao e meu coracao o Sol. Gosto de me sentir protegido, querido e assediado.

Mas nao eh isso. Pela primeira vez em toda a minha vida senti medo de viver ou do que a vida pode me fornecer. Criamos tantos sonhos em nossos cabecas e esperamos que pelo menos um torne realidade. Planejamos nossa vida como se pudessemos adivinhar o amanha. Nos preparamos para todo o bem e mal que cruze nosso caminho e quando escutamos das palavras magicas de algum amigo a verdade sobre o que somos, nos assustamos e voltamos a pensar. E em alguns casos, voltamos atraz daquilo que antes sonhavamos.

No banho, antes de dormir ou no carro sozinho rodando por ai, sempre me pego a sonhar. Eu ainda sonho e ainda vivo muito. Mas o medo de existir um futuro a se determinar baseado em ideias e imagens projetadas dentro de minha cabeca me leva a temer ao que realmente vai me acontecer, o que virei a ser apesar de tudo. Estaria eu errado em afirmar que crescer eh saber aceitar tudo aquilo que aprendemos vendo em nossos pais e comecar a temer o que vira a ser, no sentindo de que deveremos escolher ou saber abandonar coisas ou pessoas, as quais que por costume, nos recusam a mover?

segunda-feira, outubro 01, 2007

Percepção de Sonny

Sonny fica quieto e coloca o lanche de volta no prato. Comenta sobre a chuva que desenha novas formas em veias d'agua no vidro da janela, e continua: "Enquanto voce nao prejudica ninguem que esta ao lado, eu acho que qualquer forma de erro eh valida. E que para esse tipo de acao, nenhuma pessoa deveria se sentir arrependimenta. Nao ha bem ou mal. Ou certo ou errado. De uma forma ou de outra, voce foi para algum lugar e continua seu caminho. Talvez, a vida nao eh aquela que voce gostaria que fosse? Bem, mas eh exatamente o que voce eh, o que voce tem e onde voce esta. Eh isso eh muito importante: o valor da percepcao das certas razoes que o fazem ser o que voce eh.

Sabe aquele arrepio na espinha que as vezes sentimos dentro de uma fracao de segundos? As vezes eu sinto uma onda de felicidade explendida que invade meu corpo, bem parecido com o arrepio. Nao eh nada sexual ou macilioso. As raras vezes que senti essa ligeira micro-tempestade de ecstasy percorrer meu coracao, eu estava sozinho, preso num olhar ou no caminho a cozinha, e sempre dei um sorriso, ali contemplado com o extraordinario, sem mais ninguem ao redor a ver.
O que quero dizer eh que esse momento de felicidade, traduz a sensacao de estar realmente percebendo aquele exato momento. Lucido, desfocado da realidade que nos eh fornecida como verdade e vivendo uma outra, tao simples e especial."

Terminamos o cafe e saimos. A chuva cessou, o ceu continuava cinza e Sonny nao parava de falar. Parecia estar revelando algo precioso. Me contou de que quando era crianca, nunca gostava de pedir os brinquedos ou jogos mais populares. Disse nao ter possuido nenhum dos brinquedos icones que entraram para a historia dos seus amigos de infancia. "eu nao gostava do muito obvio, procurava sempre uma alternativa. Eh louco como o nosso passado reflete o que somos hoje. Mais louco ainda, eh saber que podemos descobrir o futuro usando essa mesma base, essa formula que constroe o que a gente eh."

Foi uma otima e longa tarde. Depois fiquei alimentando dezenas de questoes, das quais eu nao queria mais saber as respostas, mas sim viver o processo do porque elas foram ditas. Fiquei feliz por Sonny, de ve-lo como ele eh e sempre foi. De falar o momento, as vezes sem pensar. De viver o pensamento e o sonho, as vezes sem dormir. De ter os amigos que tem. Fiquei orgulhoso em saber que Sonny continua a olhar para frente, com a cabeca erguida.

quarta-feira, setembro 26, 2007

Lagrimas e Duvidas

Hoje senti o gosto salgado de minha emocao em meus labios tremulos, quando duvidei se o que eu mesmo fiz foi verdadeiro em meu passado ligeiro. Se estiveram aqui comigo, o tempo inteiro: o terremoto em meu peito, a tempestade em minha cabeca. Percebi que sou combustivel, que faco diferenca. Que talvez fui alguem ate o agora e o entao. Mas persiste em mim a interrogacao, de que nao fui sincero ou nao agi certo. De que nao fui leal com minhas proprias escolhas.

Quando Senhor verei a cor da saudade, sem nenhum sentimento de duvida? Parece existir alguem de um poder maior, minha mente. Um complexo de inferioridade preso dentro dessa bolha enigmatica do "eu", que quando sai para o mundo, se transforma, iludido nessa eterna fantasia de se achar o melhor. Um conflito claro de alguem que esta perdido.

Mas sei que existe uma felicidade honesta e real quando estou seguro ao lado da imperfeicao dela, minha flor e meu petroleo; me sinto util. Mas Senhor, nao me diga que a depressao alheia me traz alivio e contentamento por ser maior que a minha propria, que talvez possa ate existir, mas nao vou querer acreditar. Meu entendimento de Amor, corre quilometros a frente disso. Eh nele que perpetuo meus sinonimos de tudo que existe, morto ou vivo.

So queria saber mesmo eh como viver tranquilo.

segunda-feira, setembro 17, 2007

Ordinario? Especial?

Nao sei o que estou fazendo na verdade, me sinto perdido e descontrolado. Uma excitacao estranha toma conta de minha mente quando assim, sem mas nem menos, declaro abertamente o que penso da vida aqueles que insistem em debater. Me vejo um ser complexo, preso nesse mundo perfeito com todas as imperfeicoes existentes; nesse mundo criado por mim mesmo. Para mim.

Parece que existe uma linha fina, quase despercebivel, entre ser inteligente e nao nao saber nada. E eu vivo nessa linha. Devo ter um problema psicologico que mais para frente vou decifrar. Me sinto fora. Em alguns momentos eh como se nao eu pertencesse.

Os absurdos que saem da minha boca sao explicaveis, eis o que eh assustador. Mas a desaprovacao dos que os recebem como informacao eh unanime.

Nao me arrependo, nao me acho ridiculo por ter falado. Mas cada vez mais que vou fundo ao que acredito, mais dificil me torno aos que vivem sempre ao meu lado.

E eu acho que acabei de descobrir o que eh isso. Depois eu conto.

sábado, setembro 01, 2007

quarta-feira, agosto 15, 2007

Don't you stop me to say. We are becoming the light.

Don't you stop me to say, we are becoming the light. Run away from the sin and find where you can hide.
Don't you stop me to say, we are becoming the light.
Choose the guns if you need. I'll teach you how to get high.

sábado, agosto 04, 2007

Apaguem-os

E vai. E volta. E vai. E volta. Then go and then come back. Then go and then come back. Incrivel. Violentamente injusto. Quero de volta alguns dias, os dias os quais foram errados. Apaguem-os. Apaguem-os! Que coisa mais inacreditavel. Como podemos ser mais burros, quando devemos ser tao espertos. Que coisa mais infantil.

sexta-feira, agosto 03, 2007

...

Todo mundo vai embora daqui. Todos morrem. E enquanto vivem, sao tantas as coisas que os queremos proteger das mais infinitas maldades.

Aqueles que sao parte de nos. Nossos amados. Eu queria ser todos os seus escudos. Todo o tempo, longe ou perto.

Mas sei que eles se vao. Nao em vao. As pessoas morrem e vencem, essa sofredora e tambem maravilhosa, vida.

E suas memorias ficam comigo.

quarta-feira, julho 18, 2007

Tem uma crianca chorando na sala ao lado

Tem uma crianca chorando na sala ao lado. Existe um sonho brotando nesse barulho sinistro que meus ouvidos captam. Sao todos os anos de experiencias batendo de uma vez querendo germinar algo que muitos discordam, aquilo que alguns de meus amigos tem medo. Existe um lado obscuro de nao querer ser mais jovem e querer criar alem de uma musica ou um poema, mas uma vida.

Existe alguem que me chama a muitos anos, existe um sonho brotando em minha mente. Preciso provar de que sou capaz, dessa vez para mim mesmo. Um dia me disseram que eu sou "inteiro" nao sou a metade da laranja. A cigana estava certa eu creio, mas as vezes ser inteiro nao eh o mesmo que ser completo. Baseando-se nisso, volto a dizer, que agora preciso provar algo nao so pra mim, mas para Bjork tambem. Minha coelhinha. Minha seriedade. Minha comprovacao.

Eh estranho dizer que estou cansado de ser jovem. Nao me leve a mal, nao estou depressivo nem nada; estou num dos momentos mais felizes da minha vida.

Mas sabe, ser jovem cansa. Quero rugas, quero experiencia, quero descansar de uma mente agitada. Quero ser pai. Quero continuar esse ciclo que Deus me deu.

domingo, abril 29, 2007

Sou o maior

Tantas ondas passaram ate hoje, domingo de nada. Quatro meses de sonhos, lutas, conquistas, desaforos, invejas e desapontamentos. Tristezas, sorrisos e decepcoes. Quero voltar ao Sol. Quero queimar minha pele; "my inner skin is black". Sofrer e viver, de novo. Quero subir o morro e brigar com a persistencia de querer ficar ate o Sol raiar. Outro dia chegar, outro amigo surgir. Outro fogo apagar. Me apegar a voce de novo.

A melhor pessoa eh aquela que admite seus erros e acertos e nao tem vergonha de se decepcionar. O maior dos homens eh o que nao se arrependente.

Nao me arrependo do frio e gelo do meus novos amigos. Da ironia do tempo seco. Tanto tempo, tantas ondas. Tantos sonhos que surgem um atras do outro. Perdido, ja pensei em nao mais sonhar. Mas entao me vejo adolescente de novo. Me vejo criando em minha cabeca planos que moram longe daqui. Entao penso no Sol e quero me queimar de novo.

Como adolescente, de novo, falo cedo demais. Falo demais. Mas nao me arrependo. Esperei e agora estou feliz. Um sonho sera realizado. No ultimo segundo. No melhor momento.

Sou o maior.

quinta-feira, novembro 23, 2006

Seu erro fez os meus.

Eu escuto de pertinho seus sussurros de perdao por tudo que fez por mim, por ter me estragado e mudado minha vida. Ainda nao sei se te dou essa regalia, ainda nao sei o que aconteceu de verdade... coisas tao fortes em nossa infancia as vezes morre com a gente. Ainda nao sei te perdoar.
Do meu lado sinto vontade de pedir desculpas a todos que a vida eu perturbei por consequencia do que me fez. Voce pode ter morrido, mas nao para mim. Seu fantasma passeia na minha cabeca todos os dias da minha vida muitos anos depois. Nao queria estar aqui escrevendo sobre voce.

Diogenes eu te odeio e ate hoje nao entendo porque foi tao mal brincando com a doce inocencia de uma pessoa imune aos pecados do mundo.

Hoje sou grande.

Voce nao deve existir.

Meus olhos molhados miram um ceu claro com nuvens que flutuam ligeiro. O vento sopra as ultimas folhas das arvores. As arvores doentes do meu quintal. Deus olha pra mim por de traz de tudo e me acaricia com pensamentos nostalgicos do futuro... Mas voce nao tem a minima ideia do que quero dizer com isso...
Eh como eu sentisse saudade de algo que ainda nao aconteceu. Eh como se eu estivesse morto olhando a minha vida aqui em embaixo. Eh como se eu lesse minha propria mao ou olhasse nos meus proprios olhos, sem a ajuda de um espelho.

E eh nessas horas que me sinto completo. Cheio de bem e cheio de mal. Lembro de tudo que fiz por ti e de tudo que fizeram para mim. Lembro de quando joguei contra voce e ganhei. Recordo de quando perdi. Recordo de quando te perdi. Lembro de que nao quero mais achar e nao quero mais voltar nos bracos daquele que um dia me converteu.
Lembro que devo esquecer.
Eu queria muito esquecer.
Eu queria muito esquecer disso tudo, dessa linha dimensional que me coloca a esconder.

terça-feira, novembro 21, 2006

Eh como se eu estivesse dentro de uma cela, parte de mim pode sair e ver algo tranquilo la fora

Eu preciso acordar do mundo que me tens prezo, me soltar. Livrando-se de todo sentimento contrario a pureza de todo ser, me sentirei mais perto de voce. Agora estou sozinho, com toda a impureza dessa minha solidao; quando mesmo rodeado de pessoas que me amam, ainda assim me sinto o unico numa dimensao criada pelas minhas incertezas e minhas tentacoes.

Todas as alteracoes sao os resultados de todas as decepcoes. Da covardia e medo de encarar a verdade e me livrar de todo o mal que me cerca. Do medo de sair do conforto do amor que sinto por ser humano igual a voce. Do meu medo de mudar o caminho.

Sao as ondas da miseria humana intelectual batendo em meu rosto e me ferindo nos olhos. Sao os pecados listados nesse livro que leio, dessas pessoas que admiro e tambem invejo, quando odeio.

Preciso saber a verdade pra poder seguir um caminho mais lucido e certo e continuar ate o fim. Talvez eu precise de um tempo para refazer tudo isso que me destroi aos poucos.

domingo, setembro 17, 2006

sexta-feira, setembro 15, 2006

Segunda Parte do Mundo dos Perdidos

Sonny e Bjork estavam deitados no quarto sozinhos na mansao da Farleigh Road no norte de Londres. Sexta-feira a noite eles tinham feito amor. O castelo pertencia inteiro a eles. Havia comida em abundancia e televisao. Havia dinheiro. Havia honestidade e paixao.

Sonny minutos antes de dormir tem um presentimento "Bjork eu acho que hoje terei aquela experiencia, eu acho que hoje vou sair, passear a noite e ao mesmo tempo continuar dormindo aqui com voce."

O formigueiro espiritual do desprendimento corporal d'alma comeca a agir.

"Hey onde estou? Hey estou no outro quarto! Porque esta nevoa amarelada e escura no ar? Vou acender a luz desse quarto". Nisso Sonny tenta apertar o interruptor tres vezes sem sucesso, seu dedo passa direto nao sentindo a materia.

"Vou voltar ao meu quarto". E entao tenta por tres vezes voltar, mas toda hora volta ao mesmo ponto de partida com aquela mesma sensacao da nevoa de sonhos a sua volta. "Isso nao eh sonho!" Numa fraccao de segundo Sonny relembra dele mesmo na cama dormindo e abre seus olhos... E entao se descobre de volta a "irrealidade" do seu mundo real ficando desapontado.
A partir desse dia ele comecou a ter a sensacao de um menino que se perdeu no mundo longe de casa. A partir desse dia as polaridades falso-verdadeira, real-irreal comecam a ter meio termos para seu entendimento. Ele virou um menino mais confuso do que ja foi um dia; Explicando de uma forma mais simples, eh como se fosse adolescente para sempre, com todas aquelas perguntas sem respostas e aquela incerteza e inseguranca da vida la fora... da vida la fora de sua alma, da vida extra-expiritual; Nao que ele esteja certo de alguma coisa, pois nao esta... Ele se perdeu, mais pelo menos sabe de onde suas duvidas surgem. Os anos se passaram deixando-o experiente dentro da floresta negra e densa dos seus proprios medos.

Mundo dos Perdidos

Fantasma fui quando nessa tarde sem alguma permissao sai de dentro de mim. Levitei. Fugi quando os vi, os fantasmas que formigam meu corpo. Meus fantasmas sao todos assim, voluveis e sentimentais. Experientes em estarem perdidos. Fantasmas sao assim, iguaizinhos a mim. Sao meu proprio ser.
Hoje a tarde eu levitei sem me controlar, encostei minha breve e esnobe preguica no teto branco, o cinema nu de meu quarto.

Tive medo quando me vi no espelho astral repartido ao meio. Nao gostamos de ouvir a verdade. E a verdade nada mais eh do que isso que nos eh apresentado como real. Realidade eh sonho. Sonho eh realidade.

Hoje eu sai de mim e pensei ter visto um espirito. Mas o espirito era eu mesmo. O fantasma era meu. O medo me pertenceu e me violou para sempre.

Quando ela veio, ela sentiu a presenca e me disse a verdade. Mal sabia ela que me deixou perdido me dando mais perguntas do que respostas. E desde de entao, depois dessa tarde, eu pertenco ao mundo dos perdidos...

Eu nao sei a minha verdadeira funcao.

terça-feira, agosto 29, 2006

quinta-feira, agosto 17, 2006

Seu rosto refletido no vidro. Os pingos de chuva

Da ultima vez que o vi, ele sorria por dentro. Mas o peso em suas costas carregaram tambem o seu rosto, que caiu como plastico derretido ao fogo.

quarta-feira, julho 26, 2006

Sera que cai por querer ou alguem me empurrou?


Como eu posso ser tao frio assim? Espero eternamente por um sinal do que eu sou, por uma explicacao coerente do que sao feitas essas minhas paranoias tao distantes dos problemas das outras pessoas. Tao gelado a frente de qualquer tipo de acidente. De onde vem meu medo de altura? Qual a origem dessa sensacao inexplicavel de ansiedade e felicidade interior que sinto quando escuto os sons das baleias, gaivotas, new age, reverbes distantes de guitarra e o som eterio do mar. Qual o motivo de me sentir em casa quanto olho para o ceu, enquanto todas as estrelas me parecem tao familiares?
Porque voce apareceu na minha frente aquele dia e me deixou com tantas e tantas incognitas ao inves de me dar uma esperanca de que um dia eu poderia descobrir e consertar todos os meus defeitos. Todas essas minhas diferencas dos outros humanos.

As pessoas sao diferentes e elas sabem o porque. Eu nao sei. Talves o mais ecentrico eh que eu consigo ser igual quando eu quero, eu consigo ver com olhos alheios e consigo falar como se eu nao fosse eu mesmo.
Sera que quando cai eu fui empurrado?

segunda-feira, junho 19, 2006

Ate hoje nao sabemos o que aconteceu.












De muito longe eu vi aquele objeto estranho gigante no Ceu. Antes do Ceu. Era como se fosse um Estadio de futebol solto no espaco de onde do meio espirravam-se pessoas livres no ar, que segundos depois morriam da carne, derretidas no chao. Todas aquelas com sorte corriam gritando em linguas que eu nao compreendia.

Eu consegui ver Sonny, Bjork, Italiano, DJ e Juliette que subiam a movimentada rua Father Louis. Entraram no "car park" a esquerda no final da rua, onde a sombra ainda nao havia alcancado a iluminacao. Dentro do estacionamento eles encontraram Mister Mizel que carregava seu filho nas maos. Mr. Mizel eh judeu ortodoxo, usa aquelas trancas na orelha, aquela roupa preta and a black straw hat.

"Voce escolheu o lugar certo pra se esconder Sonny" disse ele "sempre que lembrei-me do fim do mundo, sempre pensei em vir aqui". Sonny gostou, pois quem nao gosta de estar certo. Ainda entao quando o final dos tempos esta a alguns passos perto de voce. Se movimentando.

Bjork sumiu com DJ, Sonny nao sabe aonde ela foi. Pegou a escada rolante e viu de dentro do shopping Bjork na janela do Onibus sumindo nas sombras. Ela estava sorrindo. Minutos depois Sonny estava de volta ao estacionamento, sem saber se algum dia de novo veria o rosto delicado e lindo de Bjork.

A sombra entao comecou a tomar conta de todo o espaco. Ninguem se mexia ou sequer fazia algum barulho. Ninguem pensava. A sombra era de algo muito grande, alem do nosso alcance humano. Nao se podia ver a origem da escuridao.

Mas sentiamos que o escuro tinha vida, assim como a nossa. O mais estranho eh que ate hoje nao sabemos o que aconteceu.
Se morremos ou se sonhamos.

domingo, maio 14, 2006

Muitos te esperam. Um deles sou eu.




"Nao tem como eu ficar assim perto de voce e nao pensar besteiras. Seu corpo, sua voz tao perfeita e seu jeito sutil de mexer com as maos e de cruzar as pernas. Seu tamanho. Tento nao me tentar mas falho mais uma vez. As vezes penso que o melhor seria nao nos vermos mais, nao chegarmos tao perto um do outro. Erupcao. Tesao."
Isso que Sonny pensa de voce minha querida melhor amiga: "Posso estar de olhos vendados nao preciso te ver pra saber onde devo tocar, te fazer tremer." Tenho tudo gravado aqui em meu ciumento radio gravador a beira de tudo. Do limite. Eu penso e sonho com voce, estou na verve desse meu desejo de te ter. Nao conseguirei me conter por muito tempo. Sei que eh errado.

"Voce sentada na cadeira vermelha, borbulho minha mente em pensamento a mil que vai longe e te traz pra perto de mim. Exilada em meu poder. Eu espero de voce.

Todo o nublado e o barulho dos carros. Os sinos que nao param. Os turcos gritando linguas estranhas. Tudo isso vai embora quando escuto tuda voz singela, inocente, sensual e meio bobinha. Teus olhos. Teu cabelo. Eu estou aqui no Vesuvio. Tremulo. Atento. Com medo de que o errado pode acontecer. Ironicamente temendo e torcendo."

Tenho inveja de Sonny que pode fazer o que quizer dentro do seu mundo paralelo. Na dimensao de Sonny existem muitas pessoas interligadas num mesmo objetivo. Pessoas conectadas sem precoceitos. Pessoas que nunca dizem Adeus. Adultos sem memorias para se esquecer. Pessoas ricas com tesao. Pessoas que vao longe . Pessoas que ainda estao esperando. Assim como eu. Pessoas que te esperam.

sexta-feira, maio 12, 2006

e sobre mim?

Tinhamos tanta paixao que eu lembre. Dias de sol ou chuva juntos, olhos fechados ou nao. Nos conheciamos tao bem. Memorias que nunca irao embora. Os dias que fomos tao longe e sentavamos nas estradas, no escuro, gritavamos e tivemos medo. Historias que nunca morrerao dessa paixao. Tinhamos tanta paixao imune as descracas e desgostos. Eramos tao criancas e tao sorridentes. Esperavamos por tudo e por todos e fomos atraz de tudo e todos.

Ainda estamos tao quentes quanto os nossos sonhos. E enquanto essas memorias nao se apagarem, estaremos aqui esperando por voce. Oferecendo a voce o que temos de melhor, de real e de sincero que eh esse amor interminavel.

Visitamos suas casas, fomos as suas festas de casamento e preenchemos seus coracoes de alegria. Pura energia que sera um milagre se desaparecer. Somente a morte ira me desfazer, como tambem me recompor e me recriar. Minhas melhores memorias sao todas que ainda existem aqui. Sejam elas com fome ou dor, sejam elas famintas ou cansadas, sejam elas brilhantes ou cheias de vitorias.

E sobre mim?

Perdoo a ignorancia daqueles que por mim tem-se um jogador que aposta. Que por mim torcem como se fosse um jogo de prazer egocentrico. Como se eu fosse seu time.

Escreva-te que eu apenas vivo e nao me importo. Escreva-te que mesmo nos mais obscuros momentos de minha vida eu ainda tenho paixao pelo meus passos.

Eu meus sonhos eu ja vi de tudo. Em dezenas vezes eu te despi.

quarta-feira, maio 03, 2006

"Incisto"

Eh como se eu nao me importasse com nada mais, talvez como se tudo isso que abastece o meu ego nao tivesse mais valor. Porque tanto por nada nem tao importante? Eu sei que fico aqui alimentando meu disturbio de mortal como voce. Cheio de defeitos e imperfeicoes. Gostaria de mudar e viver junto com os que estao dentro do meu coracao.

Meu objetivo sera atingido quando eu me desfazer dessas verrugas e galhos ganhando vida no exterior de minha alma. Nao sei como dizer, mas minha impressao eh que tudo eh importante na hora em que estou fazendo; no momento. Mas depois se desfaz e tudo fica mais claro. Vem as lagrimas, os desgotos. Nao era bem aquilo. Porem o arrependimento nao faz parte do meu dicionario. Pelo menos nao no mesmo peso que eh no seu.

Meu valores sao cotados num dinheiro inexistente. Meus olhos exergam de uma forma diferente, foi isso que descobri. Me sinto mal, um cara mal as vezes. Minha mae sempre disse que a palavra mais importante pra mim desde pequenininho foi "diferente". Nao estou aqui pra me gabar disso. Estou aqui pra me revelar. Pra mostrar para aqueles que percebem o quanto estranho na verdade eu sou. Creio que sou do bem...

Hey porque fico aqui alimentando esse vicio? Sera que estou insistindo em nao me ver desistindo de um mundo sem portas e possibilidades diferentes daquelas que eu ja sei?

quinta-feira, abril 20, 2006

CONVERSA NO MESSENGER

"mas estou naquelas fases. Crise. Pirado e pilhado. Nao estou rendendo o que devia." - ele disse

"nao esquenta nao, desculpa a minha pergunta entao. Nao estou te apressando nem nada, tem todo o tempo ainda, nao se preocupe. Voce esta bem?" o outro disse.

"Estou tentando reagir, tive um colapso nervoso. Esperei muito da vida e não acontece muita coisa. Mas estou legal, sobrevivendo." respondeu

"Meu, fique na boa e please, nao espera tanto da vida a nao ser a vida mesmo... andar, correr, tocar, ver, ouvir, sentir, amar, odiar.... no final tudo sera feliz com luz e o nosso desprendimento disso tudo aqui. Alias, eu penso igual a voce." o outro disse.

"Obrigado pela força, Vc sempre inspirou a todos. Não perca a fé tb." ele disse.

"As vezes pensamos em perder. As vezes penso que ate perdi... mas daeh eu assisto um filme ou escuto uma musica linda e tudo volta ao normal. Daeh so o fato de ficar meio triste ou melancolico ou ate funebre eh lindo e voce olha pra janela e ve as pessoas passando la embaixo e as coisas voltam... e a fe tb." disse.

"é tudo verdade" ele disse.

"O homem tem o poder de renascer, o sonho não." ele disse.

"Meus verdadeiros sonhos, sao aqueles que tenho quando durmo. Olhos fechados, perdido. Dormindo. Esse sonho master que todos dizem querer. Esse sonho onde todos torcem por voce, eu tenho um olhar meio blase. Na minha cabeca esse sonho eh apenas a essencia de fazermos viver. O simples movimento de tentar eh o verdadeiro prazer nisso tudo. As vezes tenho o ponto de vista de um idoso... o melhor." o outro concluiu.

quinta-feira, abril 13, 2006

Me deixe aqui



Lentamente vou descobrindo que as coisas fazem sentido. De que meu amor por voce faz sentido pleno e eu nao o largarei, embora eu precise criar corajem de ser como voce; minha fraqueza de nao obeceder o ordinario me leva a franqueza de me mostrar impotente perante aqueles que sempre me viram como o guerreiro viril. As vezes nao sou tao forte quanto uma formiga. Meus olhos parados no mesmo foco e meus ouvidos ouvindo tambores toscos e graves. Oscilando on-off durante a noite. Meu dia vira a noite. E nao consigo me mexer.

- Me alegre. Algo esta errado comigo. Talvez irei me explodir. Descontente com o contente.

Minha grande figura sao baleias e tubaroes no aquario gigante de minha cabeca. Sao alimentados com os sons de guitarra cheia de efeitos e reverbes. Nessa constante sonoridade empolgante meus sonhos se tornam realidade e deixo de ser comum de novo. Deixo de ser ordinario e me transformo espiritualmente. Vou longe como as notas me levam. Se eu pudesse eu ficava nesse mesmo lugar ate meus cabelos tornarem brancos, ate meus ossos enfraquecerem. Ate eu pedir piedade. Ate eu implorar por perdao.

- Me acorde do sonho desigual. Me indique o remedio ou a cura. Me faca igual a voce.

O oposto sao vozes que escuto dentro de mim. Centenas delas como um coral de anjos me levando com as ondas de paz e alegria. Uma sensacao de gozo eterno, como se eu estivesse dentro da luz numa viajem sonora. Iluminada.

- Me deixe aqui entao.

Me esqueci de como era antes, quais eram meus desejos e interesses. Esqueci de minha vida de ontem e me esqueci do escuro. A solidao contente me transforma. Baleias e Tubaroes meus companheiros. E os anjos que cantam enquanto vou mais longe ate desaparecer. De novo escurecer.

- Me deixe aqui.

quarta-feira, março 22, 2006

Os fantasmas e o cachorrinho de papel vivo colorido

Esse era o fantasma que me pertubava todos os dias: moleque, brincalhao e atraente. Vinha em meu quarto sempre a me aborrecer. No fundo me amava e queria meu bem. Sua arte em me assustar, dentro de si, era na verdade me querer. Talvez.
Minha casa era a mesma que sempre foi, com excessao da nevua com a qual nossos pesadelos a colorem. Luz amarelo-morto. Cenas lentas, quase paradas. Os fantasma me incomodam nas horas mais tranquilas da noite. Sinto medo, nao vou mentir, mas sempre antes de dormir. Quando eu fecho os olhos, eu entro onde gostaria de ficar pra sempre.
E mais uma vez ele veio, mas essa foi a ultima. Tristes sao aquelas pessoas que querem o impossivel, como ele. Algo em nossas vidas sempre eh impossivel. Incrivel.

Estamos todos agora refletidos pelo brilho do dia atravessando a janela de vidro. E todos sentados, ou no chao ou na cadeira ou no sofa. Todos a conversar. Devagar vem em nosso encontro uma arte em papel fino. Daqueles de fazer pipas. Vem esses papeis em uma forma, tao lenta soprada pela briza. Colorida. Os papeis num piscar de olhos transformam-se em um cachorrinho. Vivo, mas de brinquedo. Seus pelos em diversas cores. Pequenino. Carinhoso e lindo.

Era o presente de Alex, que veio me salvar. Ela morreu e foi junto com ou outros.
Alex passou pelo corredor-garagem que podiamos ver da janela junto com todos os outros e Marcelo o fantasma que me amava. Alex veio buscar todos. Leva-los a luz.

Todos os mortos aliviados foram embora e hoje me tornei mais feliz. Meus ombros mais leves e minha alma em fogo ardente.

segunda-feira, março 20, 2006

Absorver

Entregue-se ao som de minha voz tremula e sonora. Como uma onda que vai e te leva e te traz pra mim. E vou pra te entregar. Renda-se a esse significado e o sinal. Essa musica que entra como uma linha curvada em nossos ouvidos e mexe a batida. Meu futuro pra voce: estamos todos envolvidos, cercados de agua. Esse eh o sentimento conversando com os peixes e o Sol brilhando e tempo quente como nunca antes. E o vapor levando de volta todo passado. E o amor esta em toda parte. Meu nome tem a cor da rosa. Palida.
Todas elas me dizem sobre o futuro. As musicas significantes. A guitarra traduz os peixes ou a batida que navega o navio.

E eu estou violentamente romantico agora, embaixo da escuridao errrada e o baixo astral descuidado e violado. Meu piano eh negro e livre. Meu ceu escuro e nublado. Meus passaros sao corvos que gritam, cantando os meus sons. Beije-me com o sangue curado de seu corpo e serei seu poema minutos antes de dormir. Talvez pra sempre pois nao temo esse lirismo absurdo. Meu lar esta aqui cercado de neblina e meu corpo flutua enquanto sonho. Meu pesadelo eh de todo bem.
Todas elas me dizem sobre o futuro. As musicas significantes. O piano traduz o romantismo e a batida a saga ate o fim disso tudo.

Renda-se a minha voz que te mostra quais sao as artes e quais sao os passatempos. Absorva o mesmo que eu. Preciso te entender, quero ver as cores dos seus sonhos. Existe a arte que traduz o futuro assim como sera. Tao proximos. As vezes agora mesmo. Outros tao longe e distantes de mim. A arte tem o poder maior. Tenho medo de eu mesmo te ensinar a absorver.

quarta-feira, março 01, 2006

Acordando mais uma vez.

Nao tenho a impressao de estar perdendo algo ou de o tempo estar passando rapido demais. Nao acho que as aguas correm errado embaixo de minha ponte. Nao creio que partir seja motivo de chorar. Nunca mais. Sei que faco algo extremante errado; mas adiciono que faco outras coisas extremamente certas. Minha mente eh dona de tudo. Eu acredito na Luz. Sei que podemos gritar quando nao estamos contentes. Se preocupar quando estamos inseguros daquilo que planejamos. Sigo engatinhando devagar, mesmo assim.
Sao tantas as direcoes e somos obrigados a escolhar uma, mesmo que por um tempo determinado. Escolhemos e duvidamos. Nos conformando e nos descobrindo; como vamos experimentamos. Os dias passam, porque eles tem que passar; se vao pra sempre.

Tenho voado longe, sem medo das alturas. Tenho visitado amigos que se foram. Andei de novo muito encanado e pensativo. Pulei de telhado em telhado tentando decifrar esse peso engracado e gotico arrastando-se em minhas costas. Nao parece ser eu o motivo de tanta angustia em meus pensamentos. Desconfio de algo extra, que vem me desequilibrar. O fantasma me traz duvidas em tudo que faco e sei que nunca fui assim.

Entao consegue a mente me salvar. Me ensinar que estamos sempre sonhando e tendo pesadelos. Mas que devemos acordar para Realidade. Pro Caminho. Pra Luz. Ela veio hoje aqui do lado e disse sussurrando aos meus ouvidos. "Voce nunca tapou o Sol com a peneira pra desviar seus sentimentos. Voce fez certo, confiou em mim e desmoronou o sofrimento. Voce sentia a correnteza alienada nos rios dos outros e nunca nos seus. Voce pensou um dia estar errado e nisso acreditou por um bom tempo. Ate nesse momento. Agora esta tendo esta pequena reuniao comigo e vai de novo acertar. Quem manda sou eu; eu sou seus atos e sentimentos."

Andei por esse caminho cheio de armadilhas e ainda estou vivo. Hoje descobri que o melhor de tudo eh viver. Colocar a maos no rosto, me chacoalhar e me acordar; Quando uma vez mais vir esse pesadelo a me tentar a sofrer por motivos ainda em vao.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

domingo, fevereiro 12, 2006

Mar dos Sonhos

Nos, os jovens estranhos desse territorio medonho de sofrimentos e alegria; que ainda contentes buscam a felicidade, somos tentados a nos arriscar, explorar aquilo que ate esse momento era desconhecido. Somos um mar infinito de interpretacoes nao exatas. Carregamos o dilema de sempre termos que preencher esse espaco vazio e nos (lhes) provar do que somos capazes. E entao o fazemos e nos deparamos com um interminavel corredor de paranoias... Muito "futuro", muito "para frente", muitos "amanhas" para nos simplesmente querermos desaparecer.

Parado, desfocado meus olhos entendem o que veem. Estamos sentados, aborrecidos. Preocupados com o futuro que nao sai da frente. Precisamos que voce de um tempo a nos que queremos apenas atravessar por aqui. Nao queremos morrer assim, desse jeito culposo. Estamos seguindo a distorcao do som que vai como um desenho riscando as mais brancas folhas. Sao cores diversas que nos divertem. O cordao muda de ritmo, cor e direcao. E segue em frente. Hoje percebo que somos um sonho. Somos emocao e muitas vezes conclusao. Somos refroes com interrogacoes.

Somos seu refugio e seu desejo que nunca florece. Somos todas as respostas na sua hora tediosa de questoes e monotonia. Somos os exemplos, os ponto finais, nas horas de desfeita ou despreso de encontros desapropriados e nao queridos. Somos o orgulho em suas horas de desleixo e vaidade.

Optamos entao ficar e lhes fornecer aquilo que deseja conhecer. Volto a tocar a calda do som do violino que veio despir o ruido de minha guitarra, cujo o som vai longe. Colorindo. Longe. Volto ao quarto dos vinhos tintos e o chao falante. Volto aos ruidos que soam como violinos bebados aos meus ouvidos. E o som me leva longe, mais longe do que os lugares inimaginaveis, onde estou indo buscar o que tambem pode pertencer a voce.

terça-feira, fevereiro 07, 2006

Meu coracao esconde um segredo de mim.

Estou de volta em meu trono de espera e pensamentos. Preciso abrir meu coracao, mas ainda nao me acertei. Super estranho assim, eu nao consigo fazer nada e vou tentando. Se eu tivesse a vontade eu colocaria minha cabeca entre minhas pernas e chorava ate fazer chover de novo nesse quintal dos desesperos absolutos e paranoias inexplicaveis. Preciso falar mais do meu amor por voce.
Tenho a sensacao de que dentro de mim existe um vazio que soh floresce quando estou sozinho. Tenho a impressao que existe um segredo dentro de mim que nem mesmo eu sei o significado. Tenho a impressao as vezes que meu corpo nao corresponde ao que esta lah dentro. Bem fundo. No meu coracao. E que se eu nao descobrir logo o que torna meu interior tao obscuro a minha inteligencia e sabedoria, isso vai queimar dentro de mim e desaparecer.

Tenho uma floresta densa e escura enraizada em meu estomago. Sinto que tenho o lobo do homem entrelacado em minhas costelas e sinto que tenho a luz do dia, aquela da primeira vez quando abrimos a janela do quarto. Tenho a sensacao de que eu nao pertenco ao lugar que me deram pra ficar.

Seria certa a escolha de sacrificicar aquilo que mais queremos para chegar ao que esta dentro de nos segurando a verdade? Preciso abrir meu coracao para voce. Preciso me segurar ao que devo fazer. Incerta eh a pretencao de que as vezes passa pelas nossas cabecas que sabemos quem somos e o que estamos fazendo aqui. Ignorancia eh afirmar que pensar assim eh invalido e uma perda de tempo. Espertos sao os que interrogam e conseguem se despertar, para nunca mais voltar. E entao conseguir "viver" feliz para sempre.

20.01.2006 StudioSP Vila Madalena

by Flickr

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Cansamos de Sermos Sexies (Curitiba no dia seguinte)

by somebody else.

Curitiba 24hs

by Marcia






























Uma vez no passado eu fui tao chato.
Passei 3 anos tentando tirar isso da minha garganta. Tentando descobrir o que tinha saido errado.
Voltei e percebi que e o erro era meu mesmo. Eu fui muito estranho e torto.
Desta vez em Curitiba eu consegui curar esse doenca que ardia em meu pescoco. Fizemos um show bem legal e eu estava muito bem humorado...

sábado, fevereiro 04, 2006

VEGAS SAO PAULO


luiz
e renato.
Primeiro dia
dentro de um
camarim brasileiro.

by Chokito

2006, Janeiro


Poser.
By
Lucrezia.

18 Hours High, Very High!


Goiania Hotel:
A manha seguinte
apos rodar
erradadamente
dezoito horas.
Acordados.
Bem acordados.
by Chokito

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

Renato Bizar Em Chamas no Brasil Dec.2005


Sao raras
as ocasioes
onde
destruir
significa
construir.
Essas sao
as maos
do amor.

quinta-feira, fevereiro 02, 2006

No Navio Com Sonny 30.Jan.06


Nao consegui definir como realmente sao essas pessoas ao meu redor. Ou pelo menos a razao delas estarem aqui. Estou num Cruzeiro em direcao a Holyhead no Reino Unido. Comigo centenas de outras pessoas, entre jovens, familias inteiras, jogadores e solitarios. No ultimo andar abaixo dos 9 estao carros e onibus. Por aqui agora, todos trocam olhares nunca antes por mim experimentados. O navio eh gigante e tem varios andares, como disse. Jogos e brinquedos. Cinema, restaurantes e um imenso pub. Tudo aqui eh muito chique.

Estava lah fora no Deck tentando ver as estrelas. Falhei. Eu queria falar com voce. Mas o frio me fez desistir. Sentei sozinho aqui nessa pequena mesa redonda. A minha volta outras tres cadeiras vazias. Tem pessoas dormindo e um menino ali lendo. Tem um headbanger futurista lendo quadrinhos. Tem eu e tem o Sonny.

Liguei meu computador pra poder lhe agradecer por tudo que fez por mim ate o momento e tudo o que vai acontecer comigo em todos os dias que virao. Somente gratitude reina em meu peito e nao quero mais me esquecer de que sou feito de amor. Somente amor e isso eh o que posso lhe dar. Nao peco nada em troca. Peco perdao por tudo que ja lhe fiz e estou grato.

Tenho andado pelas ruas. Tenho ficado sozinho um pouco. Consegui pensar um pouco, descobrindo os pontos de ligacao de toda a minha perdicao. Percebi que sozinho nao tenho a habilidade em planejar os meus afazeres. Os meus amanhas. Fico preso naquilo tudo que esta solidamente ao meu redor como a TV, o sofa e a janela. Descobri que ainda tenho medo do escuro. Descobri que ainda escuto barulhos que nao sei de onde vem. Mas tambem descobri exatamente o que devo experimentar daqui em diante. Devo aprender a conversar comigo mesmo, a me perguntar e me responder. Felizmente estou mais proximo, pelo menos em centimetros, do que estou procurando. E a cada segundo de tempo me preencho mais.

Somente uma coisa me incomoda; ainda nao senti a desilusao. Carrego forte em mim os dois unicos sentimentos da nossa Alma: o Amor e o Medo. Mas tenho receio da desilusao...

Os Ceus de Salvador


Me disse:
nao tem certo
nem errado,
sao apenas
experiencias.
Se profundo
pensarmos;
a pura verdade.
Viver eh
ir para a frente
nas particulares
experiencias
da sua vida.

quarta-feira, fevereiro 01, 2006

Aracaju 2005



de manha
em Aracaju.
Os seres vem
nos acordar.
Yemanja vem
comigo dancar.
Nao posso te
deixar sozinho.
Nao posso te
deixar sozinho.

Sao Paulo Fashion Week 19 de Janeiro de 2006

by Alexandre Schneider/UOL

Wry, Sao Paulo 20 de Janeiro de 2006



by Lu

Biggs 22 de Janeiro 2006



by Eve

terça-feira, janeiro 31, 2006

sexta-feira, janeiro 27, 2006

Amsterdam

Estou no filme que vi na TV. Entrei nos bares de porto com os bigodudos e os ursos peludos. Andei nas pontes por cima dos canais. Nos bondes me perdi no frio. Muito frio.
Sozinho estou nessa casa, no topo do predio. Antigo, gigante. Da idade do Brasil, se alguem pensar. Cruzo arcos medievais.

Cidade gay. Onde se pode fazer tudo: Fumar e casar.

A cidade eh cinza, congelada pelo freezer. As mulheres e os homens sao vistosos e bonitos. Nao paro de falar um minuto. Conheci tres personagens daqui, meus tres amigos: Carel. Luciano e Kess.

Ik ben in Amsterdam.

sábado, janeiro 07, 2006

tedio

Hoje vivi a monotonia de outras horas. O clima quente-morfaco. Ninguem nessa casa grande dos meus pais. Ninguem faz barulho, a rua esta quieta. Coisa rara. Sem cachorros latindo, sem galos cantando. Sem criancas brincando. O tedio tomou-me a mente e o desespero da volta me queima por dentro. Qualquer probleminha, hoje pode virar um problemao. As ondas sao violentas. Grandes e instantaneas. Nas paredes dos comodos estao as fotografias de momentos de felicidade. Nao me enjoo de olha-las e pensar que o tempo passa e a vida eh uma opera, uma peca de teatro.

Estou sentado na sala. Caldeirao passando na TV – que eu nao suporto. Alias, o que mais me tira do serio nesse Pais, eh a novela das 6. Argh! Minha cabeca esta livre, cheia de espacos e triste. Toda injustica e incoerencia, eu vivo no dia a dia. Os precos me deixam mal, nem tanto por ser caros, mas por ser tao desequilibrados e como disse, incoerentes. A injustiva feriu nosso underground profudamente. Um garoto baixinho, chamado Fabinho, foi assassinado inocentemente enquanto ajudava a Igreja onde participava desses planos de ajuda ao proximo. Na segunda-feira, 2 de Janeiro, com aquela chuva epica, biblica algum demonio surgido do alem tirou sua vida e nos deixou assim, sem entender muito, sem saber o que dizer. Fabinho era guitarrista do Volpina, banda emergente de Sorocaba/SP.

O tedio grita comigo, desliga essa TV. Sonny nao quer saber de mim nos momentos como este. Sonny fica na outra sala, deitado no sofa delicioso. Sonny precisa de agua e de banho. E assim como ele, eu aponto a ignorancia as pedras que cairam na dutora de agua que nos deixou dias e dias suados sem ter liquido suficiente pra nos banhar. A incopetencia nao pode com o poder de Deus, a coerencia sim.

Wry fez a turne das chamas com classe. Felizmente estamos voltando aos palcos por aqui mais um pouquinho. Vamos desfilar nossas cancoes no Sao Paulo Fashion Week daqui uns dias e entao fazer uma perna de alguns outros shows. Sonny me interrompe dizendo que quer voltar. Nao aguenta mais a saudade de Bjork, dos turcos, dos ingleses, dos buffalos e de procurar lugar pra estacionar essa cumplicidade a sua vida. Aqui Sonny conversou com a Dona Realidade, viu sinais da Senhora Felicidade, mas ainda nao falou com Deus, em plena e alta voz. Continuamos mais perdidos do que nunca, porem um pouco mais velhos e experientes.

A monotonia acabara daqui a pouco, quando estarei no Pub (clube alternativo sucesso da cidade) tocando como DJ. Sonny is a DJ. Hang the DJ. Hang the Dj. O tedio esta indo embora e minhas palavras tambem. Nao estou completamente contente, pois descobri em mim esse cara que nao pertence a lugar nenhum. Esse menino que como nunca antes, esta tao curioso em conhecer, que ate chega a ser estranho tal comportamento. Coisas que antes odiei, parece que hoje estou amando. De qualquer forma meu sonho eh voltar aos seus bracos e o resto nao importa. Eu soh quero ter voce e nada mais.

terça-feira, novembro 01, 2005

ressurreicao

Ja faz alguns dias desde a primeira vez que percebi que as coisas ao eu meu redor serao um dia parte do passado do um jeito sinistro, novo. Que o livrinho da novela da Fei "Cold Feet" sera molhado com lagrimas num futuro remoto. Que o som do Iggy o gatinho vai ecoar constantemente quando eu nao estiver com meus dentes e cabelos pretos. Que a retangular visao de meu flat determinara toda a geometria da minha meia idade. Que o Jean "7 Tiros" estara colado pra sempre em meus olhos, assim como aquele dia quente de Sol e os Sainsbury. Assim, quando um dia serei finalmente mais velho. Ou quando um dia nao estarei mais aqui mesmo nao chegando a ser tao velho.

As lembrancas e memorias ficam. As memorias sao tantas e crescem imortais. Ou assombram ou encantam, dependendo do que voce faz. Tive tanto medo pois esse sentimento nao parecia e nao parece assim sem alguma intencao. Meus olhos piscam mais devagar e a sensacao eh de reta final. Eh de alegria como eu posso dizer.
Mesmo que da intencao nao tenho medo, eu sinto o que isso pode trazer aos que tao perto me cercam. Isso me deixa aflito, tenho medo de te dizer: que vou sentir falta de te abracar pelas costas enquanto prepara a comida. De segurar a sua mao enquanto assistimos televisao. De limpar a casa pra ver voce chegar. De trocar a lampada e arrumar a cama. De tocar violar ate o amanhecer. De ficar sozinho so pra voce.

Me sinto muito estranho quando no presente eu vejo um passado. Eh como se por um momento fiz uma viajem ao futuro pra descobrir qual a importancia de tudo isso . Mas de todas as coisas, a memoria dos que eu amo, os rostos de quem eu aprecio ficam congelados, porem crescendo - como se fosse possivel - dentro da jaula de minha cabeca. E todas as pessoas lah estao no fundo e profundo felizes por eu ser assim. De qualquer forma eh como se todos lah dentro de mim e perto de mim soubessem o que esta pra acontecer, mas ninguem a qualquer custo quer dar o braco a torcer.

quarta-feira, outubro 26, 2005

Coisas Maravilhosas Acontecem Toda Hora

Eu deito mas nao consigo dormir. Estou tao agitado quanto o Wilma lah na Florida, meus olhos giram como tornados e minha pele treme como terremoto. Entao eu me levanto antes de dormir, antes de acordar. Antes de ver o dia chegar. Quantas chicotadas estou levando? Perdi a conta. Sei que preciso aprender mais e mais. Sei que preciso dormir. Nao consigo me conter e caio em tentacao mais uma vez. Preciso de voce, preciso de aquietar. Nao quero mais pescar nesse lago com peixes que nao possam me alimentar. Nem ao menos popular meu aquario. Eh como se minha vida de repente continuasse na segunda marcha, sem mudar. Aquele som amarrado do carro na subida, pedindo a terceira. Esperando alguem vir me cutucar.

Coisas maravilhosas acontecem toda a hora, mas parece que ja faz um bom tempo que soh olho para o chao. Voce pode dizer que estou chorando com a boca cheia. Mas se engana porque mesmo cheia, mastigo a mesma coisa, que ja esta sem gosto. Pra nao dizer sem vida. Dizem que azar eh desculpa de preguicoso. Eu nao concordo. Azar eh nao dar certo. Sorte eh acertar. Estar ali, na hora certa, no lugar exato. Sorte eh sintonia de dois ou mais polos. Sorte eh o ligamento de duas pontas. O complemento do plano alheio. Sorte eh uma corrente de pensamento sem fim. Sorte eh se encontrar descolado, irremediado e inatingivel. Nao sou azarado. Mas tambem nao sou sortudo. Sou teimoso, persistente e indestrutivel.

As vezes eu sorrio demais. Alguns pensam que estou sendo sinico. Outros sinonimo de paspalho. Que estou disparcando alguma podridao. Tento explicar algumas de minhas friezas, mas soh vejo furos e lamentacoes. Eu queria aprender a sorrir menos. A sofrer menos, pra talvez chorar mais e jogar tudo isso pra fora. Tudo isso que eh incoerente com o meu modo de pensar. Todo esse dilema de que o que faco pode ser pecado. Fico indignado com a incerteza de algumas dessas afirmacoes. Ninguem consegue se expressar totalmente comigo e eu do mesmo jeito, nao aprendi ainda a ser entendido. Meus murmurios sao como gritos. E o que eu vejo eh um povo enganado e perdido. Mas nao como voce e eu, que nos perdemos porque quisemos e procuramos juntos por esse caminho.

Os sorrisos de uns sao despresos para outros. Ja tanto faz sofrer insonia ou dormir por oito horas. Nem de um jeito nem de outro vou conseguir colocar em sintonia esse seu engano contra mim. Nao importa se eu tomo o cafe da manha ou almoco depois das duas, minha qualidade de vida nao vai me dar as respostas que eu gostaria de saber. Meus passos nao querem me levar ao ponto da sorte, muito menos me deixar parado esperando algo acontecer. Preciso correr, minha vida esta curta. Quero conseguir fazer voce me entender. Quero que me de ponte.

quarta-feira, outubro 19, 2005

Sonny, o descontente.

Sonny virou e disse: "Queria muito ser igual a voce. Quem me dera conhecer todos esse individuos sem passado, sem futuro e sem interesses. Eu queria ter minha cabeca infestada de memorias inesqueciveis assim como a sua. Coisas passageiras, prazeres sem tensao. Minhas memorias sao machucadas, porem cicatrizadas. Talves nao tao nobres como a sua, pois sou uma alma perdida, sem metade. Lembre-se o que a cigana disse, eu cai do Ceu. Mas nao te invejo assim como um todo, tenho todas as minhas vontades e vantagens, sou independente do mundo de fora. Sou tao frio como uma rocha. Mas eu nao sei de voce, apenas te vejo e te contemplo.

Quem me dera saber o seu jeito. Talvez eu aprenderia a voltar no tempo e poderia te encontrar antes de tudo, na epoca do nada. Fui crianca a maior parte da minha vida e nao me arrependo. Hoje sinto a verdade batendo a minha porta. Diferente daquela epoca, na escola. Sinto meu coracao pedindo perdao, a procura de solucao. Sinto-me mais velho que voce e em certos pontos sinto inveja do seu poder em me cativar e eu nao conseguir cativar voce. Carisma tem o artista desmiolado. Sem nocao.

E eu? Tenho nocao? Me diz pra mim qual seu signo e te dou meu coracao. Cante pra mim a sua mais bela cancao e te darei meu ouvido. Nao quero ser voce, nao quero te copiar. Eu quero que voce me inspire ate o branco do meu osso. O ensinamento eh aprendido por quem sabe compreender. Tenho minhas duvidas quanto ao meu entendimento, eh como se ainda eu nao tivesse encontrado o meu modo de expressao. E como se eu fosse de um outro lugar.

Quando eu olho para o Ceu, tenho a sensacao de "voltar ao lar". Quando eu olho pra voce tenho a sensacao de querer me encontrar, de querer colar meus bracos em voce. De merecer pelo menos o mesmo que voce".

terça-feira, outubro 18, 2005

Bitter Breakfast

A silent sigh, a bitter kiss. Five 149's. Or the 76. Sometimes we lose control. Sometimes we cry. That's the way we walk. We miss words, we talk. And in the morning, the sun. Then the fight we shout. Slowly the window we open. Here comes the light we care.

Mess on the bed I see. Down on my knees you claim. Throught the night we cry. Waiting for the light to shine. Waiting For The Light To shine.

segunda-feira, outubro 17, 2005

Sob as luzes amarelas de Penny Lane


"Penny Lane there is a barber showing photographs"

domingo, outubro 16, 2005

A Taste Of Heaven

Momentos de tantas risadas sao raros para quem nao sabe viver. Mas nao sao para quem que ao inves de querer mudar o mundo em volta de si, prefere mudar a si mesmo. Alguem que acredita que esse mundo eh feito soh dele e ninguem mais pode interferir. Apenas participar. Ser parte de seu sonho.
Somos o seu sonho em seu mundo. Estamos todos vivos por voce e para voce. Somos as luzes e todos os pixels que constroem essa imagem em cores como TV. Somos a sua ilusao. Somos o teu desejo e vivemos pra te fazer acontecer. Temos o sabor do ceu.

As vezes me pego pensando com o subconsciente. Vejo meu mundo mais engracado com gosto de pecado. Facilmente controlado, e nao me leva a mal. Assim quando eu estou mais ciente do ar a minha volta. Do cheiro que se exala. De uma voz que se cala quando escuta a minha fala. Eu sei o que penso e escolho o que sonho. Controlo os meus gostos e desenho os meus tracos. A imagem que quero com as cores que eu faco.

Quando tudo parece mais eficiente. Satisfatoriamente suficiente. Eu sinto o gosto do ceu. E nossas risadas e piadas. A musica que toca bem alta. A estrada e as cidades que ficam pra tras me seduzindo com suas luzes e memorias. Memorias caladas, mostradas com o sol e o brilho de seus olhos. Em cada rosto nos semaforos, um pista do que deve ser verdade.
"Tres criancas branquinhas estao sorrindo pra mim aqui nessa foto". Eu tenho as provas da nossa felicidade tao radiante, intocavel e impenetravel. Eu ainda vejo o escudo que se formou desde que te conheci. Um escudo bem forte contra tudo que nao desejado. Por enquanto nao me feri e ainda dou risadas quando eu caio. Eu tenho a impressao de que com a pontinha da minha lingua eu senti um gostinho do ceu. E eu vivi por voce.

E eu divido com voce.

segunda-feira, outubro 10, 2005

Temo A Surpresa De Poder Um Dia Desaparecer

Esta bem quente aqui nessa sala. As cortinas fechadas e as poucas luzes ainda acesas. A musica vem como um hino e toca na televisao que me prende. Nao vejo nada, apenas olho. Nao entendo seu ingles dismiolado, sem alma. Vou fugir de casa por uns tempos pra me entregar de vez... Fugir?
Ja esta tarde e todos me esperam lah fora. O carro ligado, som bem alto. Estou de pe. Sem lado. Sem reacao. Vivo toda uma emocao. Louca rotina. Nao sei ate quando mais vou esperar. Ate quando suportarei essa frigidez e o gelo cortante. Meus ouvidos escutam as pessoas la fora, mas meu coracao nao. Meu coracao quer parar. Quer parar de me bater.

Estou fora de mim de novo, super ocupado com Deus e com o mundo. Acho que devo viver mais intensamente esses dias longos de horas e minutos. Todas essas ultimas semanas o que fiz foi deixar de sorrir. Matutei ate meus parafusos se desprenderem. Fiquei torto, torturado pelos meus descuidos de ser-humano e honesto. Trabalhos e mais trabalhos. Exercitando minha multi funcao em tudo o que faco, como um homem que nunca quer perder o trem das 11. Meu clube e minha banda. Meus trens me surpreenderam. Minha vida, meu amor. Sou salvo pelo seu sorriso a noite e seu beijo antes de dormir.

A buzina do carro me assusta, desperto desse sonho acordado e ainda nao sei qual eh minha certeza. Nao sei mais a diferenca entre o marasmo e a aventura. Meus olhos secos continuam parados, meu corpo frio congelado. Nao consigo dizer que ficarei aqui, nem sair correndo daqui. As aranhas no teto e o sacis pereres, os ingleses vem me mexer...
"Sonny! Sonny! Vamos!" - enxergo os olhos grandes de Bjork tantando me acordar. Assustada parece que esteve ali por horas a me chamar.

Nao tenho tempo pra lhe contar tudo o que sei e descobri, mas o que sei sera o suficiente pra me manter vivo ate o final. Meu desligamento passageiro ficou a viajem toda em minha cabeca, preso. Nao consegui falar com ninguem. Tive vontade de chorar. Temo encontrar no isolamento um conhecimento guardado que eu sei que dividira com voce. Temo entregar toda a minha atencao ao que eu realmente amarei. Temo fugir daqui.

Eu espero pela surpresa, quando ao mesmo tempo estou aflito. Seria muita gentileza sua me entregar de bandeja aquilo que eu espero acontecer. Tenho muito medo de um dia me conhecer quando tudo voce dizer. Mas mesmo assim continuo aqui de bracos abertos. Esperando.

terça-feira, setembro 27, 2005

Quando veio a chuva...

Passei todos esses dias pedindo uma tempestade. Dessas bem violentas que poderiam acabar com tudo. Minhas dores inchavam. Minhas flores murchavam. Nada acontecia. Mas eu tentava. Eu implorava pela chuva e ao mesmo tempo sonhava com o sol. Eu queria sentir de novo o cheiro eterno do amor de minhas coisas. Eu te beijava em explosao. Semanalmente, fiz os melhores shows do Wry ate entao, todos pra chamar sua atencao. Voce me flertava. Depois adormecia.

Fui tentado quando andava nas ruas a noite pelas redonzedas. Fui estuprado ao telefone. Janelas escuras no topo das casas sussurravam palavras obcenas que eu nao entendia. Sinistro, um dia uma louca que gritava. No outro dentro do escuro no quadrado da janela alguem fazia um som bizarro, meio bicho, meu estrangeiro. Eu nao conseguia ver e soh queria correr. Dormir.

O pequeno sino irritante da St. Paul de Stokey me acordou todos esses dias; fiquei sabendo que moram lah um monje e um estudante. Um policial loiro sentiu o cheiro do meu halito; Infantil. Mcdonalds. O vizinho novo chato, musico e bebado tentou ser meu amigo mas eu o declinei. Eu pedia raios e os trovoes. Me ocupei pra esquecer do segundo e terceiro prazer enquanto nas rezas me atrapalhava pra tentar voltar a pensar em voce. Eu escrevia seu nome nas pocoes magicas da minha solidao a dois. Eu te amei e te esperei.

Hoje estou mais leve que o ar, mas feliz que o coelho. Hoje choveu por todo o tedio e desanimo, alagou-se toda a solidao. Por toda felicidade nao veio a tempestade das minhas tentacoes aos outros prazeres. Nos banhamos nas enxurradas. Todo o preconceito se foi. Toda mentira lavada. Vi suas lagrimas. Voce sentiu meu perdao. Acertei na minha certeza: pensei em voce quando eu estava em voce.

quarta-feira, setembro 21, 2005

lucido dos dois lados?

Ja aconteceram algumas vezes e nao creio que vai acabar; d'eu tentar ajudar a mim mesmo, consciente, sem estar a me aloprar. D'eu me ver completamente lucido dos dois lados. D'eu me deixar por um breve momento. Ouvir meus dois estados mentais a ponto de conversar.

Nessas horas de tentacao eu nao acredito em mim mesmo. Eu tento me beliscar, mas parece que esse movimento com a mao na direcao do meu proprio corpo se torna tao lento, que vira pensamento e eu nao faco nada. E entao ja era, atravesso e escorrego:

"Ei, mocinho. Nao ve que todos tem os mesmos direitos de se espressar. Cada um em seu mundo criado. Nao ve que todos veem do jeito que querem ser vistos. Sejam sujos ou bem educados. Sejam podres ou ricos. Cada um eh o que escolheu ser.
Vejo que a arrogancia as vezes nao tem limites em sua cabeca, seu rosto te entrega. Garoto deixa ele em paz, deixa ele cantar como um galo asiatico. Tintas na cabeca, olhos pintados. Juventude em Chamas. Deixa ele gritar como se estivesse numa Arena. Nao tente acorda-lo de seus sonhos. Ao inves de criticar, tente pintar o lugar com aquela energia mais pura que soh voce sabe dar. Preencha esses vazios com cores. Como voce ja fez com muitos."

Nessas horas de tentacao eu nao acredito em mim mesmo. Eu tento me beliscar, mas parece que esse movimento com a mao na direcao do meu proprio corpo se torna tao lento, que vira pensamento e eu nao faco nada. E entao ja era, atravesso e escorrego de novo.
Entao eu escuto: " - Somente voce aeh dentro fez isso acontecer e somente voce pode afagar essa amargura. Te aliviar dessa sensacao estranha de abandono."
Mas eu nao entendo esse sentimento de culpa ou arrependimento, pra mim ainda estao um pouco vagos todos esses significados. Talvez eles venham sub-divididos, ou como um quebra-cabeca pra eu montar. Nao sei, soh sei que prestes a chegar o ano de dois mil e seis eu ainda mal me conheco.

De repente tudo se vai, todas as palavras sumem sem me dizer "goodbye". O Doutor sai, me deixando essa enorme incognita. Cada segundo mais pesada e indecifravel. Essa a vida que eu vejo.

terça-feira, setembro 20, 2005

este sonho

"Estava frio, frio, frio! Gostoso. Quentinho e limpo, meu corpo se torcia embaixo do edredon pra achar a posicao e me sossegar. Bjork apagou a luz. Sozinhos no silencio nossas almas se aquietaram e nem de longe eu ouvia um ruido. Nada. Zero. Parecia poesia a escuridao, que desenhava em ondas de paixao no reflexo da luz de fora, todos os nossos anseios e desejos. Eu crianca. Rezei em ingles numa unica vez, que foi nesse dia de outono em Londres. Eu e Bjork numa cama azul na casa dos varios comodos e diversos andares. Antes dos vampiros e do sangue-suga que de vez em quando apareciam pra nos visitar.
Senti meu corpo formigar por inteiro, freneticamente depois do amor, olhei pra ela e disse 'parece que eh hoje, sinto que vou me experimentar'. E ela com medo.
...
Abri os olhos e vi o teto colado ao meu rosto. Desci como luz. Voltei para mim e nos acendi uma vela. Sempre ouvi estorias de viajens espirituais e de pessoas que se encontram em sonhos. Bikini Kill costumava me ensinar uns exercicios de como descobrir se esta sonhando ou nao. Bem, visualmente nunca levei a serio tais exercicios, porem ocultamente assimilei todas as suas regras. Disse 'Amen' e fechei meus olhos.
...
Estou de pe na outra sala, todo ar eh sinistro, os brilhos meio que amarelados. Parece sonho. Nao tinham luzes acessas, mesmo assim eu conseguia exergar onde eu pisava. Movi minha mao direita para apertar o interruptor de luz. Nao, nao tinha o tato, muito menos o toque, minha mao passou direto e nada acendeu. Nada se moveu, somente eu.
Me desesperei, naquele minuto me senti sozinho sem ninguem. Flashes de imagens de meu amor e meus amigos pulavam em volta de meus olhos. Atordoado, nao entendi nada. Parei e respirei. Preciso voltar ao meu quarto.
Todo momento que eu dava um passo a direita na direcao do meu quarto eu voltava na posicao anterior. Tipo pesadelo. Estranho. Surreal. De novo. De novo. E de novo.
Ate que lembrei de meu rosto dormindo e numa fracao de segundo voltei a minha cama. De brusco abri meus olhos e acordei Bjork espantado dizendo 'eu estava no outro quarto, eu estava no outro quarto'.

Assim como estorias meus sonhos particulares e minhas viajens no tempo se resumiram. Eu aprendi de uma vez por todas a voar ate voce.
Anytime, anywhere."

quarta-feira, setembro 14, 2005

fantasma

Minha visao em diagonal tem o lustre no teto como um obstaculo ao te olhar. Estou sentado em surreal no canto do teto a lhe flertar madrugada a dentro. De meu posto eu vejo lah fora a raposa no vento, pela janela, dentro do silencio, em oposto a mim, sentada no telhado da lojinha de pisos e azulejos ao lado. A cima as estrelas. A raposa quieta e vadia; sem um pio ela fica lah e entao tiro gelidas fotos do bicho da noite com meu morbido mobile.

Volto a olha-lo sentado de costas para TV muda enquanto Bjork dorme. Luz amarela. Seus olhos piscam devagar. Seus labios sorriem timidamente, flamejantes. Sua barba serrada de adolescente. Ele faz o que quer, onde ele quer - quase tudo o que quer, eh bom lembrar. Suas olheiras ja nao sao tao profundas, mas tambem ja nao tem mais cura. Porque se lamenta? Porque nao se contenta? O ser-humano esta tao vago e naive, deixa tudo passar e ir embora. As vidas agitadas levam as horas embora a Jato.

Talvez seja por isso! Por fazer o que quer, a hora que quer, quando ele quer a toda hora e todo momento, ele nao faz mais tempo pra mim e me deixa aqui no canto a observar, e quase nao existir. Ele descobre que o tempo ja nao se mede em dias ou segundos e sim acoes ou passos.
Nos baloes da sua cabeca leio que conversas sao pensamentos. Que conversas nao tem mais som. Relogios nao tem mais ponteiros. Telefones nao tem mais fios. Escadas nao tem degraus. Que Casas sao paredes. Paises sao muros. Eu leio em sua testa "eu devo estar louco".

Antes de me conhecer ele viveu prezo na alegria quando nao sabia sofrer. Agora eu sempre estou aqui perto dele, sou sua assombracao e sua solidao. Sou sua ligacao com mundo dos mortos e dos normais. Eh comigo que ele esta aprendendo a viver, e assim sentado ali ele comeca a entender quando tenta me descrever.

terça-feira, setembro 13, 2005

tapete

"Vou me sentir um marginal quando te ver nua no tapete. Em cima te pedirei pra virar-se. Meu sonho. Voce louca e excitada. Meu animal selvagem louco pra voar acha sua presa. As nuvens se fecham. As cortinas serradas. Meus dedos tocam o calor do teu corpo que me pede e implora. E meus dedos vao doer de tanto te entregar suado o meu prazer ao seu. O prazer serah todo seu quando meus dedos morrerem.
Eh verdade, o monstro vem ao meu ouvido dizer pra me acalmar. Sabendo dos meus pecados, assim como os de todos - e os seus - me ordena a rezar. Duas mil oracoes.
Quatro mil horas rezando, e o monstro vai embora e de volta meu horror e voce quente a me esperar. De novo volto a sonhar.
Somos todos tolos presos aos nossos proprios preconceitos quando nos esquecemos de sonhar, quando nos privamos de sermos livres de verdade. Nossos preconceitos nao nos deixam aceitar e entao entendemos tudo errado. Nos acusamos ao errar.

Nessa acao frenetica todos os rostos veem a minha cabeca. Gritam. Gritam. Gozam. Culpam. Tenho vergonha, mas nao consigo evitar e de novo voce vem me visitar. Ate o fim de tudo. Ate acabar o fim de tudo. Ate eu gozar."

sábado, setembro 10, 2005

Sonny Nao Conseguiu Dormir

O ar um pouco seco. O Sol pediu licenca ao entrar, invadindo-lhe as fendas e os vazados entre as portas e janelas. Quantas passagens! A casa enorme com quatro andares que falavam e se moviam, aquele dia estava quieta. Uma quarta-feira de todas as estacoes. De verao as dez da manha, outono ao meio dia, inverno as tres e meia e primavera ao entardecer.

Sonny nunca acorda cedo. Nunca acorda cedo. Sonny nunca acorda cedo. Mas naquele dia...

Os festivais tinham todos passado mas o clima ainda estava no ar e em todos os cantos viam-se fotos de bandas e revistas recortadas. Xicaras de cafe e latas de cerveja. Era Verao naqueles momentos e nada no mundo poderia estragar sua alegria de viver. Ele tem costume de gritar quando esta sozinho. E gritava conforme dancava na sua completa solitude. No verao daquele dia ainda a comecar Sonny era o Sol, nem a chuva o poderia deter.

Somente o carteiro que trouxe consigo o outono.

Secou-se o lencol d'agua de seu corpo quando ao ler a carta descobriu o seu defeito. Caiu na realidade de que o mundo era realmente injusto e de que as pessoas nao eram livres. Suas folhas soltaram-se e a carta caiu. No chao, assim como o cafe derramado, seu corpo espatifou-se desolado e fraco. Pasmado chorou sozinho a amargura de nao saber o que fazer. Sonny queria se esconder de todos e tudo.

Foi quando o inverno chegou lhe trazendo muito frio e fome: "As nuvens em minha cabeca nao me deixam te ver, me impedem de crescer. O que vou fazer? Vou me trancar. Nao quero falar com ninguem. Nao vou mais sorrir". Ao meio dia "o ceu se fechou e a chuva comecou a inundar esse Pais!". Ele sem comer decidiu pintar o seu desejo de morrer. No quarto sem luz e frio, se entristeceu de vez e se fechou como as nuvens no ceu. Por horas ficou a pensar sobre os diversos planos que nao aconteceram. Se sentiu o mais pequeno dos seres arrependido por ter nascido onde nasceu. Seus olhos estalados colavam no teto e a pequena energia de luz que brilhava no meio da lampada transformava-se no fogo de seu odio aquele lugar que ja nao mais sabia o via como existente. Nesse lugar ele viveria ausente dali pra frente.

Felizmente existem as flores da amizade e do amor. Primavera eh a estacao do renascimento dos valores. Ela vem pra nos mostrar que ainda temos cores e forca pra viver. Bikini Kill veio na hora certa, quando Sonny assinava o desenho em giz de cera "What If?". Ela o confortou e lhe mostrou que o caminho ainda estava la apesar de escuro e perturbado. Era apenas seguir. Sonny dolorosamente sorriu.
Um pouco menos opaco saiu do quarto - sua prisao- pra receber mais flores que chegavam fazendo com que as paredes voltassem a falar. Dando a ele varios motivos de contentamento e comocao pra viver.
Ja era noite e entao a noite ja era. Apesar de todo aquele conforto, nada foi tao forte o suficiente pra deixa-lo sereno como uma cancao de reggae. Sonny nunca conseguiu dormir.

quarta-feira, setembro 07, 2005

Nasci Errado. Vivi Correto. Meu nome eh Sonny.

Vem aqui e me abraca, tenho bastante calor pra te aquecer desse frio que entra nas suas veias. Esse futuro que finalmente chegou depois de tantos comecos e recomecos, esta agora batendo em minha porta e eu devo abrir e me entregar. Pode me ver agora?
Apaguem os holofotes, assim nao posso enxergar. As estrelas estao piscando como "strobos" e meus olhos estao transtornados com o que veem. Eu vejo as pessoas no chao, jogadas ao leu. Na agua podre meus sapatos se enxarcam e sinto a doenca nas unhas do pe e tenho um "dejavu": ja estive aqui antes. Me lembro dessas cores magentas escuras e desse rio de sangue e as balas perdidas.

Estou procurando por voce e apesar de tudo eu entendo e acredito. Voce esta no meio disso tudo o tempo todo. Em oracoes de dois ou mais individuos reunidos, voce esta la dentro. Vi dois avioes em estilhacos e voce me acenou. Li os labios do Padre na BBC que perguntava por voce e alegava que voce o tinha esquecido. Bem alto os Labios Flamejantes. Absurdo. Voce eh o vento e a tempestade. Voce eh a enchente e o sacos cheios de vomitos no aviao. Voce eh a Turquia e Roma. E meu dedo do peh.

Minhas pernas estao cancadas, vou me sentar ao lado dessa arvore alta. Minha mae e meu pai conversam comigo tudo o que ja disseram antes, mas hoje eh diferente. Hoje eu escuto todos os adjetivos e pronomes ecoarem mais e mais alto. Vejo a linha dos insetos ordenados e ageis rumo ao norte a trabalho. As nuvens passam mais rapido, meu relogio derrete e Salvador esta Ali. Voce esta aqui comigo e eu ainda conto com voce. Espero tocar seu coracao e voce me conduzir ao que devo exercer. Quero sair com voce a noite, ir aos clubes e me euloquecer. Quero te entregar a minha vida como ela eh, quero dizer que amo voce.

Eu sei que estou no lugar errado. Todo esse tempo. Sou o eterno deslocado. O descolado emotivo e tambem sou o Roqueiro. O Surfista. O Skatista. O RaggaeMan. O Astronauta. O Filosofo. Nao tenho lugar pra ir, ao nao ser pra dentro de ti. Mais tarde, eu sei que minha casa eh aqui dentro com voce. Comigo e voce sozinhos.

segunda-feira, setembro 05, 2005

Novela Mexicana

Sonny tem uns amigos sinceros tambem. Saem juntos na noitada, vao ao cinema, jantam em restaurantes "do momento", passeiam nos parques e fazem festas. Como qualquer ciclo de amigos, eles tem suas anormalidades e interligacoes. A unica coisa que os diferem de todas as outras turmas, eh que se amam de verdade e com esse amor mais estranho e ilumidado eles se dependem e as vezes agem como se fossem casados. Todos juntos.
Por ser temperamental Sonny tem a facilidade de as vezes poder fingir estar emburrado ou chateado, ou ate mesmo cansado, pra poder ficar de lado analizando qualquer piscar de olhos ou apertar de labios. Do canto escuro descobre pistas que revelam o que cada um de seus amigos estao pensando em determinados momentos ou o que realmente cada um quer. Sonny diz ser esperto, mas tambem nao vou por as minhas maos no fogo po isso.

Esses dias me disse que estavam almocando todos juntos num desses restaurantes de Stoke Newington, no norte de Londres. Todos perceberam o mal atendimento do lugar e ficaram endiabrados com aquilo. Pra ajudar a comida era um pouco diferente do que estavam esperando. Mas tudo bem uns podem amar e outras odiar.
Mas entao, eh aeh que mora o problema. Existe o falado de que gosto nao se discute. Pra eles nesse dia o ditado realmente serviu porque nao discutiram mesmo. Eles brigaram. Um porque havia sugerido e estava se sentindo ofendido pelos outros falarem tao mal e o outro por resmungar um pouco demais.
Porque Sonny me contou esta estoria? Bem, ele chegou a conclusao de que existem pessoas a beira do perigo a qualquer momento, existem almas ariscas prontas a atacar por estar, eu diria, infeliz com a sua situacao. Existem aqueles que por quererem se sentir uteis, acabam ficando ocupados demais e vao deixando tudo passar como se fossem trens de encontro (um sendo sua vida) num trilho a cento e cinquenta quilometros por hora - assistindo estressados tudo passar. Tambem existem os "naives" que com aquele olhar eterno de "Como assim? O que esta acontecendo?" - olhos arregalados, boca semi-aberta - aceitam tudo sem optar pra algum lado. Pela forte coneccao e convivencia - assim como garotas que vivem juntas e se menstruam no mesmo dia - mas descontrolados, os companheiros colocaram suas frustacoes em dia naquela justa situacao, suposta a celebrar o contentamento e uniao. Usando apenas palavras diferentes desbocaram e aliviaram seus coracoes abrigando assim mais esclarecimentos as suas posicoes. E Sonny disse que ja sabia que tudo aquilo iria acontecer assim que botaram o pe naquele lugar.

Depois de muitos silencios falsos e inquietacoes de seus desdobramentos psicologicos, Sonny chegou a conclusao de que precisa de mais espaco pra exercer seus planos e pensamentos. Descobriu caminhos e atalhos ligando os espacos perdidos de seus conterraneos. Dos erros dos outros consegue agora ter uma teoria mais convincente de suas funcoes. Sonny como eu ja disse esta mais confidente. Porem, isso nao quer dizer muita coisa, ja que seus defeitos ainda nao foram curados. Mesmo assim seus machucados nao doem com a mesma forca de ontem e seus arrependimentos somem em questoes de minutos.

Seu lado mais generoso quer ajudar os mais perdidos nessas horas, embora sabe que quem tem que os ajudar sao eles mesmos. De qualquer forma ele me avisou que nao vai sair desse caminho e continuara com as maos firmes no volante. Define essa sua vida como uma novela que nao tem fim mas, centenas de recomecos. Mesmo se um dia nao verem o Sol, as promesas e desculpas ainda os servirao como combustivel pra essa divina aventura de se comprometer a ser feliz a qualquer custo uns com os outros.